Comprou carro usado? Saiba como funciona a transferência do veículo

Comprou carro usado? Saiba como funciona a transferência do veículo

Apesar do aumento da frota de veículos no Brasil nos últimos anos, transferir um carro usado ainda é um processo burocrático que parece complicado para muita gente. Pensando em ajudar nossos leitores, preparamos esse post com dicas sobre o processo de transferência de veículo. Confira:

Condições prévias

Antes mesmo de comprar o veículo usado, é preciso fazer uma pesquisa para saber se há taxas e impostos em atraso ou multas não pagas. Isto é muito importante, pois a transferência de propriedade só é possível quando o veículo está livre de débitos e de multas.

Imagine pagar um valor por um carro e descobrir que há quase o mesmo valor em impostos e multas vencidos, que precisarão ser quitados para que ele seja realmente seu! Pois acredite, é muito comum encontrar veículos nessa situação.

Para realizar a consulta, basta procurar o Departamento de Trânsito de seu estado. A maioria mantém essas informações nas suas páginas de internet.

Após a negociação

É preciso esclarecer que cada Detran institui regras específicas para a transferência de veículo, mas a grande maioria segue os passos básicos que mostraremos a seguir:

Documentos

Assim que o negócio for fechado, é importante preencher e assinar o CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo). Será necessário, ainda, reconhecer em cartório a assinatura do vendedor. Em alguns estados é exigido o reconhecimento em ambas as assinaturas.

Além do CRLV original, são exigidas as cópias de documento de identidade com foto, além de cópia do comprovante de residência. A maioria dos Detran dispõe de formulário próprio, que deverá ser preenchido, além do pagamento de taxa referente ao serviço de vistoria e emplacamento do veículo. Os valores e meios de pagamento variam de acordo com o estado.

Vistoria

Reunidos todos os documentos, é preciso comparecer à unidade do Detran que realiza as vistorias, ou a empresas conveniadas, para verificar se o veículo está em condições adequadas para transitar nas vias públicas. Em caso de alguma irregularidade, o novo proprietário deverá providenciar os reparos e retornar à vistoria.

Os itens mais comuns verificados na vistoria são luzes, vidros, emissões de poluentes e alterações das características originais dos veículos. É importante consultar a legislação para saber quais são as alterações permitidas pelo Código Nacional de Trânsito, antes de realizar a vistoria.

Após esse procedimento, será emitido o novo documento, com os dados do novo proprietário.

Emplacamento

De posse do novo documento, é preciso retornar ao Detran para o emplacamento e colocação do selo. Alguns Detran dispensam essa etapa, caso a transferência seja feita entre proprietários do mesmo estado e desde que não seja necessária a troca das placas.

Por falar em placas, a compra delas só poderá ser feita em lojas credenciadas, mediante apresentação de formulário próprio para o seu carro usado ou seminovo.

Nova legislação

Está prevista para março de 2016 a adoção de uma nova metodologia para transferência de propriedade de veículos comercializados em lojas e concessionárias. O sistema. chamado Renave (Registro Nacional de Veículos em Estoque), permitirá que os lojistas escapem do processo acima, burocrático e dispendioso, realizando todos os trâmites por sistema eletrônico. O Renave também garantirá ao antigo proprietário a isenção de quaisquer débitos ou multas posteriores à venda.

Mas atenção: ele não se aplica às negociações entre particulares nem às vendas consignadas, nais quais o veículo permanece no nome do proprietário.

E você? Conhece alguém que está adquirindo um carro usado? Então compartilhe nosso post em suas redes sociais para facilitar a vida dos seus amigos!

Comentários

Gregory Packs
Gregory Packs

Um jovem de Sorocaba, interior de São Paulo, descobriu na prática o que é estratégia multicanal – e como ela pode revolucionar o negócio de sua família. Gregory Packs tinha 3 anos de experiência no ramo de Sistemas de Informação quando percebeu que o escritório despachante da mãe enfrentava problemas. A Dok Despachante havia sido criada no início de 2006 por Beth Pontes que começou sua carreira de Despachante há 20 anos, depois de uma longa carreira em escritórios da cidade. “Quatro ou cinco anos depois começamos a concluir que, nesse mercado de despachantes, numa cidade como Sorocaba, os grandes reinam e havia poucas chances para os pequenos, mesmo com experiência”, conta Gregory. Foi quando ele decidiu empregar o que havia aprendido com a experiência digital sozinho e na faculdade.

Related Posts